Pages

Ads 468x60px

Alerta de Urandir Oliveira sobre Alterações Climáticas na Terra

Urandir alerta sobre as Alterações Climáticas

Mais uma vez a ciência confirma o que o Projeto Portal, através do pesquisador Urandir Fernandes de Oliveira e seus parceiros de mundos estelares vêm afirmando há mais de dez anos. A informação divulgada neste sábado (20/03/2010) pelo G1 e também publicada no site www.ambientelbrasil.com.br diz que as mudanças climáticas terão efeitos indiscutíveis na saúde, como o aumento das alergias e doenças transmitidas por mosquitos, e o aumento de problemas intestinais ligados à falta de água, conforme advertiram em Paris especialistas em clima e saúde.


"Em 2050, um em cada dois verões (hemisfério norte) se assemelhará à onda de calor de 2003", que na França causou a morte de milhares de pessoas, indicou o diretor da Agência Sanitária do Meio Ambiente e do Trabalho (AFSSET), Dominique Gombert. Para o Projeto Portal estas questões já se mostram mesmo em 2010, devendo aumentar a partir de 2011, portanto, uma data muito próxima.

Para os pesquisadores do Projeto Portal, no Brasil e em vários países doenças como a provocada pelo vírus H1N1, mortes repentinas de pessoas até jovens por ataques cardíacos, aumento da incidência de câncer, doenças de pele, malária, dengue, etc. já causam problemas e preocupações para profissionais da área da saúde e até para a área governamental.

No entender de Dominique Gombert, já é possível prever que o aumento das temperaturas durante o verão provocará um forte avanço da mortalidade entre as pessoas mais velhas, ou frágeis. Além disso, as ondas de frio serão mais intensas, inclusive mais mortíferas, acrescentou o diretor. Os pesquisadores do Projeto Portal acreditam que o frio será muito intenso em determinadas regiões do planeta.

Alguns poluentes - como as partículas finas -, também aumentarão, devido ao aquecimento global, acrescentou. "Serão mais precoces e permanecerão por mais tempo", explicou Gombert. Os pesquisadores do Projeto Portal alertam que no ar existem uma infinidades de partículas prejudiciaisà saúde humana, sendo que boa parte delas lançadas na atmosfera pelo próprio homem, mas também existem as partículas cósmicas que são prejudiciais à raça humana.

"Esta poluição terá os mesmos efeitos dos picos de poluição atuais, que geram um aumento das doenças respiratórias (bronquite, asma) e problemas cardiovasculares, assim como uma sensibilidade maior às infecções causadas por micróbios", advertiu.

O aquecimento global provocará uma redistribuição da vegetação no território: por exemplo, a oliveira tentará subir para o norte. O mesmo já ocorre com diversas espécies de animais, que já estão migrando para outras regiões diferentes de seus habitas naturais, além daquelas aves migratórias que perdem o foco de seu destino devido às alterações do campo eletromagnético da Terra, informam os pesquisadores do Projeto Portal.

Além disso, acrescentou, as árvores com pólen se estenderão, e por isso os períodos com muito pólen vão aumentar, o que provocará mais casos de alergias, indicou.

São previstos também outros problemas de saúde, como cânceres de pele, devido à intensificação dos raios solares, e o aumento das doenças como a febre tifoide ou a cólera, porque a água será mais escassa e mais contaminada, alertou.

O especialista ressaltou que, embora as ameaças dos efeitos do aquecimento planeta pareçam claras, as medidas para proteger a saúde das pessoas são menos evidentes.

Para reduzir os fatores de risco, será preciso desenvolver a cultura da "adaptação", mas essa meta se depara com dificuldades, como a falta de interesse dos médicos, afirmou outro especialista.

"O aquecimento global é um tema que interessa aos meios de comunicação, mas menos aos médicos", lamentou William Dab, professor da cátedra de Higiene e Segurança no Conservatório Nacional das Artes de Paris. Também os governos não conseguem se entender quando se trata deste assunto, alertam os pesquisadores do Projeto Portal.

Segundo ele, as mudanças climáticas não são "um risco a mais", entre outros, e sim "uma mudança de escala do risco", dada a quantidade de pessoas expostas. Já os pesquisadores do Projeto Portal alertam que ocorrerá inclusive alteração na geografia terrestre, fato este que acontece de forma cíclica na Terra, mas ou menos a cada 5 mil anos.

O Observatório Nacional sobre os Efeitos do Aquecimento Global (Onerc) sugere algumas maneiras de combater esses efeitos das mudanças climáticas na saúde, entre elas umas supervisão maior dos agentes infecciosos e da qualidade da água e do ar. (Fonte: G1, Ambiente Brasil e Projeto Portal)

fonte: http://www.urandir.com.br e http://www.urandiroliveira.com.br